Desvios de função são discutidos por orientadores e supervisores da educação de Joinville

 

Na noite de terça-feira (7), os diretores do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região (Sinsej), se reuniram com orientadores e supervisores das escolas municipais de Joinville, para tratar dos principais problemas enfrentados por esses trabalhadores. Entre os temas estava o desvio de função e a aposentadoria especial. Também participou da discussão o advogado do Sinsej, Luiz Gustavo Rupp.

A reunião iniciou com a palavra dos servidores presentes, que relataram os problemas que têm enfrentando nos locais de trabalho. A orientação é de que os servidores devem resistir nas unidades contra os abusos, com relação à substituição de professores. “O fato de se substituir professor em sala de aula não pode comprometer o exercício da própria função (orientador e supervisor escolar), isso caracterizaria desvio de função e deve ser combatido”, explicou Mara Lúcia Tavares,  diretora do Sinsej.

Após isso, o advogado Luiz Gustavo esclareceu as dúvidas sobre a aposentadoria especial, que é concedida somente aos professores. Também explicou que o Ipreville não reconhece aposentadoria especial quando a função em sala de aula é interrompida, mesmo que por determinado período.

Ao fim, foi decidido que os servidores organizarão uma pauta objetiva do que esperam da Prefeitura de Joinville e da Secretaria de Educação, para então ser discutida novamente com o sindicato. Foi citado ainda o caso dos agentes administrativos das unidades escolares, que se mobilizaram e conquistaram a redução de jornada de trabalho sem redução de salário (de 8 para 6 horas diárias), mostrando que é possível  garantir direitos através da organização.

//