Gaeco prende o ex-governador do Paraná Beto Richa

 

O ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, Beto Richa (PSDB), foi preso  no início da manhã desta terça-feira (11), em Curitiba, acusado de corrupção.  Richa ficou conhecido no Brasil e internacionalmente como o carrasco dos professores do Paraná, ao ordenar uma repressão brutal a uma manifestação dos professores da rede estadual de ensino do estado, que protestavam contra as mudanças na previdência para os servidores  em 29 de abril de 2015. Mais de 200 pessoas ficaram feridas, oito delas em estado grave.

A prisão acontece nas barbas do juiz Sérgio Moro, seu aliado, que em junho havia enviado o inquérito sobre corrupção do ex-governador à Justiça Eleitoral, sendo obrigado a cuidar do casa novamente a partir de julho, por decisão da própria Justiça Eleitoral que o devolveu. A prisão de agora não se deve à lava Jato e foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

A esposa do ex-governador, Fernanda Richa e o ex-chefe de gabinete, Deonlison Roldo,  também foram presos.

Nesta manhã, também foi deflagrada a 53ª fase da Operação Lava Jato que cumpre três mandados de prisão em Curitiba. Mas, até o momento, não se sabe quais são os alvos.

Batizada de “Piloto”, a 53ª etapa da Lava Jato cumpre 36 mandados judiciais em Salvador (BA), São Paulo (SP), Lupianópolis (PR) Colombo (PR) e Curitiba (PR).

De acordo com a Polícia Federal (PF), o objetivo da investigação é a apuração de suposto pagamento milionário de vantagem indevida no ano de 2014, pelo Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht.

//