Motorista que matou motociclista em acidente continua preso

 

O empresário Eduardo Filipi Chiodini, 30 anos, acusado de provocar o acidente que resultou na morte de um motociclista na madrugada do último domingo, (1º), foi indiciado por homicídio culposo e continua preso. Eduardo conduzia um Volkswagen Amarock em alta velocidade e atingiu a traseira da moto que Jonatan da Silva Magalhães, 22 anos, estava pilotando. Com a força do impacto, o jovem foi arremessado contra um poste da Avenida Santos Dumont e morreu no local.

Eduardo  fugiu do local do acidente, mas foi seguido por testemunhas e seu veículo foi interceptado na rua Nova Trento, cerca de dois quilômetros do local do acidente. Jonatas  estava trabalhando no momento da colisão. Ele sofreu uma fratura na coluna cervical, na altura do pescoço. A motocicleta foi arrastada por aproximadamente 60 metros.

O motorista se recusou a fazer o teste do bafômetro, porém, na delegacia de polícia, ele foi submetido a exames clínicos onde o Instituto Geral de Perícias constatou que ele apresentava sinais de embriagues no momento em que aconteceu o acidente. O delegado responsável aguarda o resultado da perícia que foi realizada nos dois veículos para encaminhar ao Poder Judiciário.

O advogado de defesa do empresário está aguardando os laudos que será anexada ao processo para pedir um habeas corpus em favor de Eduardo, que poderá responder pelo crime em liberdade.

//